in

Colunista acusa animação Pepe Le Gambá de ‘normalizar cultura do estupro’

Charles M. Blow, colunista no jornal americano New York Times acusa a animação Pepe Le Gambá de perpetuar a cultura do estupro.

No artigo, Blow acusa as animações americanas de ter o racismo enraizado em muitos desenhos clássicos.

Esse racismo – segundo Blow – faz parte da vida das crianças desde a primeira infância. Para exemplificar, ele citou desenhos animados como Ligeirinho, também da Warner Bros, que diz representar de maneira preconceituosa os mexicanos sempre mostrados como bêbados e letárgicos.

Cena da animação Ligeirinho

Fãs de Pepe Le Gambá se manifestaram

Fãs das animações não aceitaram as acusações dizendo que o desenho animado, que apareceu pela primeira vez em 1945, não foi feito para ser interpretado dessa forma.

Pepe Le Gambá

Os fãs também comentaram que as animações sempre divertiram e que nenhuma criança iria absorver o comportamento de Pepe como algo a ser imitado.

Blow, finalizou a discussão, mostrando porque vê Pepe como um personagem tóxico:

Isso ajudou a ensinar aos meninos que ‘não’ não significava realmente não, que era parte do ‘jogo’, a linha de partida de uma luta pelo poder. Ensinou que superar as objeções rígidas e até físicas de uma mulher era normal, adorável, engraçado. Eles nem mesmo deram à mulher (na animação, uma gata) a habilidade de falar.

Mais notícias em breve.

Written by Fábio F3

Nascido em 1978 e treinado durante os incríveis anos 80. Movido a refrigerante, mirabel, quadrinhos, filmes e seriados. Casado, F ³ é apenas mais um Jedi aposentado tentando ganhar a vida pela galáxia.

What do you think?

783 points
Upvote Downvote

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0